O mais completo
guia de raças do Brasil

Facebook
Como escolher o cão ideal

cadastrar remover

// História de criador
De olho no futuro

Em seus 14 anos de criação seletiva, o canil Itapuca, localizado em Marica – RJ, já colhe os frutos de um trabalho sério e planejado

 

É verdade que no mundo da cinofilia 14 anos de criação não significam muito. Mas quando esta criação se destaca por ser feita com critério, planejamento e dedicação, produzindo cães de qualidade e colecionando títulos pelo mundo afora, não há como ficar indiferente.
 

Ao contrário de indiferença, o Canil Itapuca – RJ tem ganhado evidência e respeito pela criação de cães da raça Basenji. Com pouco tempo de criação, o canil já exportou Basenjis para 11 diferentes países e conquistou títulos importantes em exposições nacionais e mundiais. Segundo Sávio Steele, proprietário do canil, o segredo em criar bem está no conhecimento da raça, de sua função, sua história, dos principais reprodutores, criadores de sucesso no mundo e principalmente do padrão. “Importamos cães dos melhores canis do mundo, filhos de grandes ícones da raça e planejamos bem os nossos cruzamentos. Seguimos um tipo moderno que acreditamos ser o Basenji do presente e do futuro”, justifica. Criterioso na seleção do macho para acasalamento, Steele ressalta a importância na preferência do tipo ao pedigree. “Não podemos esquecer que o pedigree é também muito importante, mas o tipo sempre prevalece”. Um amante de animais, Steele sempre teve cães, pássaros, peixes de aquário, répteis e ferrets. A criação profissional de cães se deu quase que por acaso em sua vida. Em 1999, aos 19 anos de idade, Steele conseguiu comprar Bolinha, o primeiro cão de estimação da raça Buldogue Francês – na época uma raça ainda rara no Brasil. Durante um dos passeios rotineiros, Bolinha chamou a atenção do handler Milton Louzada, que convenceu Steele a levá-lo a participar de exposições caninas. Estava dada a largada para uma atividade que se tornaria sua grande paixão e motivo de dedicação. Não demorou muito para que se encantasse pela raça Basenji. “Milton me presenteou com Isis, uma fêmea que havia ganhado da fundadora do Canil Cachoeira. Então, juntos, fundamos o Canil Itapuca, especializado em Basenji e Buldogue Francês”, lembra. Já em 2003, o canil registrava suas duas primeiras ninhadas, uma de Buldogue Francês e outra de Basenji. “Ver os filhotes crescendo, participar de exposições, conhecer gente de todo o mundo com a mesma paixão me motivou a criar”.Para se tornar um bom criador Steele não poupou esforços na busca pelo conhecimento da cinofilia e contou também com bons amigos para se aperfeiçoar nos assuntos técnicos de criação e linhagens de sangue. Ele faz questão de citar o cinófilo Marcelo Fonseca como um dos nomes mais importantes em sua trajetória pelo estudo e prática da cinofilia. Com a experiência adquirida pelos anos de trabalho, o Canil Itapuca optou por focar seus esforços na criação da raça Basenji, segundo Steele, a preferida, por se tratar de cães mais fáceis de condicionar para exposições, por se adaptarem melhor ao clima predominante quente do Brasil e por serem muito elegantes, o que chama muita atenção em exposições. “Estas facilidades não temos com a nossa segunda raça o Buldogue Francês”, ressalta o criador que, em 2008, iniciou uma série de importações de exemplares da raça Basenji e firmou parceria com um dos mais renomados handlers do Brasil, Claudio Cruz. Entre as características mais marcantes da raça Basenji se destacam o temperamento independente - são cães que não dão confiança a estranhos e, assim, não incomodam as visitas -, o porte aristocrático, a testa enrugada com um olhar selvagem e o rabo enrolado, além do fato de não latirem e de serem muito limpose rústicos. Em 2012, um novo canil, amplo e planejado, com uma área de 1.500 metros quadrados só para os cães, foi estabelecido em uma excelente estrutura em Itaipuaçu, no município de Marica, localizado no Estado do Rio de Janeiro. E embora o Basenji seja criado como raça principal pelo Itapuca, alguns exemplares de Buldogue Francês também são mantidos ali. “É a nossa segunda raça do coração”, diz Steele, acrescentando que tem ainda casal de Bull Terrier Miniatura e um casal de Chinese Crested Dogs criados no canil.

 

“Ver os filhotes crescendo, participar de exposições, conhecer gente de todo o mundo com a mesma paixão me motivou a criar”.



Veja mais

Saiba como viajar com seus animais de estimação

Cuidados com o câncer: Humanos x Animais

Diabetes em cães

Mercado farmacêutico para pets mantém crescimento

Babá para cachorro

« anterior [1]  2  3  4  5 próximo »

capa anuário

Confira nesta edição:

> Os melhores cães

> História de criadores

> Adestramento, Saúde, Cuidados com os filhotes..

> E muito mais...



Todos os direitos reservados. Editora Minuano
Proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem autorização e aviso prévio.